19 de junho de 2013

Canto, porém canto


Canto sacia. Vou dizer o quanto. 
Por que o espanto? Canto sem porquê. 
Canto só por poesia, por encanto,
Quando, no entanto, o pranto ida se vê. 

 Canto por alegria. Por nem tanto, 
Eu canto o desencanto e ninguém crê 
Que esperanto do amor é mesmo o canto, 
Enquanto o canto não me traz você. 

 Um santo, um dia, ouviu do passarinho 
Cura para os quebrantos da paixão 
E se encantou, portanto, fez canção.

 Dela, levanto o manto, hoje, sozinho,
 Prá que o meu canto caiba num cantinho 
Deste recanto seu, seu coração.

  Bernado Trancoso

4 comentários:

Élys disse...

Um lindo post, com uma canção encantadora.
Gostei!

FG disse...

Deliciosa la poesía, hermosos sentimientos plasmados en ella y como complemento increíblemente delicado, la música que has elegido para acompañarla.

Saludos!!!

Smareis disse...

Poesia maravilhosa, a música é divina.
Adorei a postagem!
Um grande beijo querida.

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia
Maria
Belo... , encantado com o B.Trancoso e com a música escolhida.Parabéns!
...no canto do amor florescem as mais belas palavras...
Obrigado pelo seu carinho
Boa semana!Paz e luz!
Beijos

Se alguém perguntar por mim diga que pinto poesias, não gosto de desalegrias e amo a paixão. Nos traços de uma pintura imagino a saudade e todo o amor que invade o sentimento de um coração 

 Marcos Andruchak